terça-feira, 25 de março de 2014

Sobre ter esperança

Quando o que a gente busca muda, mudamos também pensamentos que antes nos faziam acreditar naquilo que nunca nos faria bem. Um futuro incerto, talvez alguns momentos de felicidade e nada mais que isso. Devemos levantar. Juntar todos os pedaços que restaram do nosso coração e o reconstruir. Podemos não lembrar de como ele era antes, de como funcionava tão bem, mas só nós mesmos podemos nos permitir juntar seus pequenos pedaços espalhados pelo chão. Somos tolos. Tolos por achar que vivemos a verdade absoluta de um amor perfeito. Mais tolos ainda por esperar que o desfecho seja diferente. A verdade é que sempre desejamos experimentar mais uma dose de esperança. E essa vontade nunca termina.

sábado, 15 de março de 2014

(...)


Já pode descansar, coração.

domingo, 9 de março de 2014

(...)

Amar sozinho, a gente ama o espelho. Se escolhemos alguém com quem queremos dividir momentos, sejam positivos ou negativos, devemos usar os gestos, as palavras, as artimanhas e qualquer outras ferramentas, que diga, assim, mesmo que nas entrelinhas: Ei, psiu, eu te amo. Eu gosto de você.
Temos muito pouco tempo, às vezes, pra dizer tudo que queremos. Todos os momentos são raros, só pelo simples motivo que você já sabe: eles não voltam.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

A linha tênue

Existe uma linha tênue entre o que a gente precisa e oque a gente deseja. Com o tempo aprendemos que nem sempre o que desejamos pode nos fazer bem. E o que precisamos nem sempre está ao nosso alcance. Essa dor que sentimos e que cresce dentro de nós um dia vai dar lugar pra novos bons sentimentos, por isso ela cresce, quase que de forma involuntária. Quando aprendemos isto estamos prontos pra recomeçar. Sempre vai existir alguém pra sugar tudo de bom que existe em nós e deixar um vazio no lugar. O que fazemos com esse vazio é o que nos torna mais fortes.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

(...)


Não há tristeza que valha a pena.

Cícero - "Porta, retrato"

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

(...)

Depois que eu li esse texto pensei: "Quem sou eu pra discordar?"



“O cara diz que te ama, então tá. Ele te ama.

Sua mulher diz que te ama, então assunto encerrado.

Você sabe que é amado porque lhe disseram isso, as três palavrinhas mágicas. Mas saber-se amado é uma coisa, sentir-se amado é outra, uma diferença de milhas, um espaço enorme para a angústia instalar-se.

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e verbalização, apesar de não sonharmos com outra coisa: se o cara beija, transa e diz que me ama, tenha a santa paciência, vou querer que ele faça pacto de sangue também?

Pactos. Acho que é isso. Não de sangue nem de nada que se possa ver e tocar. É um pacto silencioso que tem a força de manter as coisas enraizadas, um pacto de eternidade, mesmo que o destino um dia venha a dividir o caminho dos dois.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real na sua vida, que zela pela sua felicidade, que se preocupa quando as coisas não estão dando certo, que sugere caminhos para melhorar, que coloca-se a postos para ouvir suas dúvidas e que dá uma sacudida em você, caso você esteja delirando. “Não seja tão severa consigo mesma, relaxe um pouco. Vou te trazer um cálice de vinho”.

Sentir-se amado é ver que ela lembra de coisas que você contou dois anos atrás, é vê-la tentar reconciliar você com seu pai, é ver como ela fica triste quando você está triste e como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo uma tempestade em copo d´água. “Lembra que quando eu passei por isso você disse que eu estava dramatizando? Então, chegou sua vez de simplificar as coisas. Vem aqui, tira este sapato.”

Sentem-se amados aqueles que perdoam um ao outro e que não transformam a mágoa em munição na hora da discussão. Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente bem-vindo, que se sente inteiro. Sente-se amado aquele que tem sua solidão respeitada, aquele que sabe que não existe assunto proibido, que tudo pode ser dito e compreendido. Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é, sem inventar um personagem para a relação, pois personagem nenhum se sustenta muito tempo. Sente-se amado quem não ofega, mas suspira; quem não levanta a voz, mas fala; quem não concorda, mas escuta.

 Martha Medeiros. 

Licença Creative Commons
A obra Sinta o Amor foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Proibição de Obras Derivadas 3.0 Brasil.