sexta-feira, 16 de julho de 2010

Morfina

Quando lutamos contra nós mesmos, somos os únicos a colecionar feridas. Até que ponto vale a pena ater-se ao caminho da menor dor, do baixo risco e do conforto calculado? Você grita para si mesmo com tanta força essa mentira, que acaba por não ouvir o peito clamando por um segundo de atenção. Mas eu consigo ouví-lo, quando ele encosta no meu e sigo aguardando o dia em que a tua garganta, de tão rouca, deixe chegar aos teus ouvidos o que para mim fica claro toda vez que teus olhos fecham antes dos meus: é recíproco. Eu poderia dizer que fui acometido por uma abstinência de sensações às quais já estava acostumado. É o que você sempre diz, mas eu ainda não me acostumei a você. Por isso que eu sempre volto, mesmo quando a minha auto-estima implora para que eu espere por um sinal teu. Teus sinais foram dados, nós é que falamos línguas diferentes, quando o assunto é sentir e expressar. (créditos: Lucas Silveira)

2 comentários:

Andre Mansim disse...

somos os unicos a colecionar feridas ... puxa !!!
De muito bom gosto esse post !

Karine Lima disse...

Oie, achei lindo teu blog!
já estou seguindo, segue o meu também?

http://livreelouca.blogspot.com/

beijos e tenha um ótimo fim de semana *-*

Postar um comentário

Comente, a sua opinião é importante pra mim.

Licença Creative Commons
A obra Sinta o Amor foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Proibição de Obras Derivadas 3.0 Brasil.