sábado, 30 de julho de 2011

(...)

Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Clichê

Eu sei, eu sei, o eterno clichê “isso passa”. Passa sim e, quando passar, algo muito mais triste vai acontecer: eu não vou mais te amar. É triste saber que um dia vou ver você passar e não sentir cada milímetro do meu corpo arder e enjoar. É triste saber que um dia vou ouvir sua voz ou olhar seu rosto e o resto do mundo não vai desaparecer. O fim do amor é ainda mais triste do que o nosso fim. Meu amor está cansado, surrado, ele quer me deixar para renascer depois, lindo e puro, em outro canto, mas eu não quero outro canto, eu quero insistir no nosso canto. Eu me agarro à beiradinha do meu amor, eu imploro pra que ele fique, ainda que doa mais do que cabe em mim, eu imploro pra que pelo menos esse amor que eu sinto por você não me deixe, pelo menos ele, ainda que insuportável, não desista. (Tati Bernardi)

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Sobre explosões

É tão intenso que ainda posso sentir o seu olhar sobre mim. O sentimento era tão real que eu podia tocá-lo com a ponta dos dedos e senti-lo em cada milímetro da minha pele. Inexplicável é sentir que a qualquer momento o seu coração pode explodir, e como vai ser imensa essa explosão. O ar já não é o mesmo. Respirar parece impossível. Então você se dá conta que, enfim, não tem mais volta. Essa dor que você sente, não é doença. Quantos segundos você ainda consegue suportar? É tão intenso e doloroso que não cabe mais no peito. Cada gota de sangue que corre nas veias carrega um pouco desse sentimento. E ele se espalha tão rapidamente que é impossível impedir. Por algum motivo não desejamos que essa dor passe, jamais. Ela nos completa e  tudo o que desejamos é sentir esta dor pra sempre, por mais estranho que isso possa parecer.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Curto IV

E se todos os dias você acordasse não desejando estar onde está? Ou quando afirma que “não aguenta mais”, porém é mais um dia e você está acordado e vivo. Como você se sente? E se todos os dias você desejasse a mesma coisa, incessantemente, todos os dias, sem trégua, sem pausas, sem intervalos? Seria fácil para você ter o mesmo desejo absurdo e doloroso todos os dias? E você se pergunta até quando suportará, até quando será capaz de continuar, até quando continuará a sorrir enquanto chora por dentro, até quando manterá a ferida aberta e sangrando e todos os dias você se faz a mesma pergunta. Estou tentando parar de dizer sempre as mesmas coisas, juro que estou. Só que antes eu preciso entender algumas coisas e acabar com outras. Preciso entender como ainda sobrevivo a esses dias e como faço para acabar com eles.
(Autor: Isabela Solano - Todas as Minhas Palavras)

domingo, 24 de julho de 2011

(...)

Mas eu cansei. Minhas lágrimas falam por mim. Não vou voltar atrás.  Prometi. 

segunda-feira, 18 de julho de 2011

(...)

Como deve ser, e como inevitavelmente é, quando nosso coração nos dá aquela única e inevitável rasteira que nos faz quicar no chão.

sábado, 16 de julho de 2011

(...)

Até hoje não sei como aconteceu. Em um instante estávamos conversando, no seguinte, ela inclinou-se sobre mim. Por um segundo, quis saber se o beijo quebraria o feitiço que nos envolvia, mas já era tarde demais para parar. Quando os lábios dela tocaram os meus, soube que poderia viver cem anos e visitar o mundo todo e nada se compararia ao momento único em que beijei a mulher dos meus sonhos e soube que meu amor duraria para sempre. (Livro: Querido John - Nicholas Sparks)

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Com drama

De repente olhamos pra dentro de nós e a única coisa que enxergamos é esse borrão de sentimentos que nos cobre por inteiro. Não cabe a nós tentar apagá-lo. A gente nunca se acostuma a perder o controle sobre o que sentir, quando sentir ou como sentir, mas é nesse momento que a gente se depara com caminhos pelos quais nunca pensamos que íamos passar. Então a gente começa a perceber que o que desejáva-mos não era o suficiente e que podemos ir mais além.  Por mais estranho e nebuloso que seja o caminho a gente arrisca e arriscar é completamente normal. Normal porque já nos acostumamos a fazer as coisas por impulso. Por mais que tentemos mudar, no final das contas a gente sempre acaba voltando pro mesmo lugar. Aquela velha dor no peito não nos deixa esquecer e, pra falar a verdade,  nem sempre a gente deseja curá-la. Não faz sentido, mas quem já sentiu entende.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

(...)

Farei o possível para não amar demais as pessoas, sobretudo por causa das pessoas. Às vezes o amor que se dá pesa, quase como uma responsabilidade na pessoa que o recebe. Eu tenho essa tendência geral para exagerar, e resolvi tentar não exigir dos outros senão o mínimo. É uma forma de paz.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Destino

O destino é um conceito que inventaram para que a gente pudesse recostar nossos ombros nas cordas da acomodação, quando, na verdade, dispomos de todos os meios que precisamos para suplantar essas cordas e traçar nosso próprio caminho, rumo a lugares jamais visitados, pagando para isso o preço que for. 

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Surto de felicidade

E o que eu sinto é o tal do amor. Aquele surrado, mal-falado, desacreditado e raro amor, que eu achava que não existia mais. Pois existe. E arrebata, atropela, derruba, o violento surto de felicidade causado pelo simples vislumbre do teu rosto. (Lucas Silveira)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

(...)

Desisti de tentar te fazer entender. O espaço vazio que você deixou ninguém mais é capaz de preencher.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Para ouvir

Se você pudesse sentir como eu não consegui dormir sem ouvir a tua voz cansada.
Você devia estar aqui pra ver, aqui não para de chover desde que você voltou pra casa (...)
Você está aqui, e eu sinto que posso estar em qualquer lugar. Eu sinto que eu sou o ar.
(Visconde - O ar)  Ouça a música | Baixe a música

domingo, 3 de julho de 2011

Vontades

Só lembro que tocava Paul McCartney, que fazia frio, e que eu dizia coisas que eu nunca imaginava que fosse capaz de dizer. Coisas que sempre bradei para as paredes, mas que agora encontraram destinatário. Esse sentimento não cabe em mim. E agora? E se tudo isso que você finge não ver é só a ponta do iceberg? Eu acho que muita gente deve estar tendo os mesmos pensamentos que eu, nesse momento. É como se eu fosse um texto em que você só leu o primeiro parágrafo, ou apenas o título, ou até mesmo simplesmente ignorou por não gostar da ortografia do escritor. E eu não falo de dor. Eu falo da angústia que é não sentir nada. Eu falo da vontade de chutar a tua porta com as duas pernas e gritar uma porção de coisas nos teus ouvidos até você acordar assustada. Isso já te faria me conhecer um pouco melhor, e saber do que eu sou capaz. E talvez seja só um problema de auto-estima. (Lucas silveira)

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Intensidade momentânea

Intenso é tudo aquilo que deixa marcas no nosso coração, difíceis de apagar. Quase que sem querer a gente se apega aos sentimentos e os tornamos a coisa mais importante e preciosa que possuímos. Eles passam a nos definir tomando conta do nosso coração, preenchendo a parte que antes ficava vazia. Não estamos acostumados a guardar tanto sentimento, eles explodem dentro da gente. Arriscamos, sem saber se vale a pena arriscar, passando a acreditar que as coisas podem ser simples e normais, quando na verdade não são. Na verdade estão longe de ser. A verdade nunca é o suficiente. Essa é a hora que a gente deveria respirar fundo e acordar. A verdade é que eu nunca fui das que fazem sentido. Acho que me perdi. Me encontra.

Licença Creative Commons
A obra Sinta o Amor foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Proibição de Obras Derivadas 3.0 Brasil.