domingo, 20 de setembro de 2015

(...)

As pessoas possuem cicatrizes em todos os tipos de lugares inesperados. Como mapas secretos de suas histórias pessoais. Diagramas de suas velhas feridas. A maioria de nossas feridas podem sarar, deixando nada além de uma cicatriz. Mas algumas não curam. Algumas feridas podemos carregar conosco a todos os lugares, e embora o corte já não esteja mais presente há muito, a dor ainda permanece. O que é pior, novas feridas que são horrivelmente dolorosas ou velhas feridas que deviam ter sarado anos atrás mas nunca o fizeram? Talvez velhas feridas nos ensinem algo. Elas nos lembram onde estivemos e o que superamos. Nos ensinam lições sobre o que evitar no futuro. É como gostamos de pensar. Mas não é o que acontece, é? Algumas coisas nós apenas temos que aprender de novo, e de novo, e de novo.

2 comentários:

Lucas - Blog: Overture disse...

Muito interessante! Algumas feridas, novas e antigas, mostram-se inevitáveis. Cicatrizes, muitas vezes inevitáveis dentro de um inevitável. Mas, se a dor recente está em nós, resquício físico ou psicológico do ferimento, aquele que vira cicatriz raramente deveria guardar sequela de dor. Infelizmente, alguns de nós carregamos dores que já não precisavam doer. Parece que queremos machucar a consciência de alguém, machucando nossa alma da maneira mais visível possível a ela e ao mundo. Sofrimento inútil, porque, a cada dia que passa, somente nós mesmos enxergamos razão naquilo. E não sei o porquê de enxergarmos! Beijosssssssssss

Românticos em extinção disse...

Amando seus textos, muitos refletem o que eu penso e o que escrevo em meu blog também.

Postar um comentário

Comente, a sua opinião é importante pra mim.

Licença Creative Commons
A obra Sinta o Amor foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Proibição de Obras Derivadas 3.0 Brasil.